Texto: Rebecca Gomes

Diferentemente das expectativas e do otimismo de investidores no final de 2018, o mercado de trabalho no primeiro semestre de 2018 se viu diante de uma crise contínua. A taxa de desemprego aumentou para 12,9%, atingindo 13,4 milhões de pessoas segundo uma pesquisa do IBGE feita em maio desse ano.

A queda mais significativa foi para os trabalhadores com carteira assinada: 1,7%. O crescimento dos empregos formais em 2017 foi o parâmetro dos brasileiros, o que gerou esperanças a toda a população.

Quando tratamos disso, vemos em 2018 um grande crescimento da área de Marketing e Comunicação, por exemplo. Essas áreas são marcadas por uma grande demanda de prestação de serviços, isso acaba influenciando diretamente nos indicadores de emprego de tal semestre.

Já os trabalhadores autônomos, apresentam estabilidade na pesquisa, eles representam 23 milhões de pessoas. E são aproximadamente 10,9 milhões de pessoas que trabalham sem carteira assinada.

O dinamismo foi uma estratégia recomendada para lidar com o ano de 2018. Nunca se viu tanta preocupação em fazer um ambiente agradável para os funcionários nas empresas, entre outras diversificações que surgiram nos últimos tempos. Nossas empresas têm se dedicado intensamente por diversos fatores. Isso está intimamente ligado com o fato de que as empresas precisam estar atentas ao que acontece ao seu redor para se manterem firmes em meio à uma crise econômica no país.

De fato, as empresas precisam estar preparadas. Mas os profissionais não ficam de fora. Quanto mais preparação e estudo se tem, mais chances de permanecer ativo no mercado se conquista.

E você, está preparado tanto como empresa quanto profissional?